mudanca-polos-magneticos-swarmreveals

O clima está se alterando devido ao enfraquecimento do campo magnético.

Nossa Senhora nos alertou em várias profecias, em Anguera, Brasil, que o campo magnético se alteraria e isso afetaria o clima no mundo. Não é o aquecimento global como eles querem nos fazer crer. O campo magnético se prepara para se inverter, e estamos no meio desse processo. E se percebe claramente, que os cientistas não entenderam bem a gravidade do assunto.

[…] No campo magnético da Terra estarão os furos, os quais trarão desequilíbrio à vida dos homens e animais.[M2713,29/07/2006].

[…] O deslocamento dos pólos mudará a vida sobre a Terra e os meus pobres filhos viverão momentos de angústia.[M2790,26/01/2007]

[…] A Terra se agitará e, em muitas regiões, ao mesmo tempo, haverá a morte de muitos inocentes. Sofro por aquilo que vem para vós.[M3569,14/11/2011]

[…] As placas se moverão e nações desaparecerão[2796,08/02/2007].

[…]Os pólos irão comutar e a Terra passará por grandes transformações. Todos os seres vivos sofrerão[M2696,20/06/2006].

Mudança no Campo magnético acelerou drasticamente nos últimos meses

Posted by on 30/11/2016

mudança-polos-magnéticos-swarmreveals

Nos últimos meses o campo magnético da Terra  esta enfraquecendo 10 vezes mais rápido do que em anos anteriores, informou a Agência Espacial Europeia (ESA)

As mudanças recentes podem indicar que os pólos magnéticos da Terra estão prestes a mudar bruscamente.

O campo magnético, que tem sido descrito como uma enorme bolha que protege a Terra da entrada da radiação cósmica  e dos ventos solares carregados de energia, está sempre mudando e a  missão Swarm da ESA  vem acompanhando mais de perto estas flutuações desde novembro de 2013. 

Tradução, edição e imagens:

As mudanças recentes podem indicar que os pólos magnéticos da Terra estão prestes a mudar bruscamente.

Fonte: http://phys.org/

(Phys.org)-O primeiro conjunto de resultados de alta resolução a partir dos três satélites do Programa SWARM da ESA que revelou as mais recentes mudanças no campo magnético que protege o nosso planeta.

Lançado em novembro de 2013, o Swarm está fornecendo insights sem precedentes sobre o complexo funcionamento  do campo magnético da Terra, que nos protege da radiação cósmica e do bombardeamento de partículas carregadas emitidas pelos flares solares.

Medições feitas ao longo dos últimos seis meses confirmam a tendência geral de enfraquecimento do campo magnético, com as quedas mais dramáticas acontecendo sobre o Hemisfério Ocidental.

campo-magnetico-junho-2014

Mas em outras áreas, como o sul do Oceano Índico, o campo magnético tem se fortalecido desde janeiro. As últimas medições confirmam também o movimento de mudança do polo norte magnético para a Sibéria, com ele avançando para o interior da Rússia.

Estas modificações são baseadas nos sinais magnéticos provenientes do núcleo da terra. Nos próximos meses, os cientistas vão analisar mais dados para desvendar as contribuições magnéticas provenientes de outras fontes, ou seja, o manto, a crosta, os oceanos, a ionosfera e a magnetosfera.

Isto irá proporcionar uma nova visão sobre muitos processos naturais, desde aqueles que ocorrem profundamente dentro de nosso planeta até à meteorologia espacial desencadeada pela atividade solar. Por sua vez, esta informação irá produzir uma melhor compreensão de por que o campo magnético está se enfraquecendo tão rápida e drasticamente.

entopan-fimdeciclo-serpentedefogo

“Esses resultados iniciais demonstram o excelente desempenho do programa Swarm“, disse Rune Floberghagen, Gerente da Missão Swarm da ESA (European Space Agency).

“Com a resolução sem precedentes obtida, os dados também apresentam a capacidade do SWARM para mapear situações do campo magnético numa escala precisa.” Os primeiros resultados foram apresentados hoje (20 de junho) no “Third Swarm Science Meeting” (Terceiro Encontro Ciências Swarm’), em Copenhague, na Dinamarca.

Sofie Carsten Nielsen, a ministra dinamarquêsa do Ensino Superior e da Ciência, destacou a contribuição dinamarquesa para a missão. Swarm continua o legado do satélite dinamarquês Oersted, que ainda está operacional, bem como a missão alemã Champ. O instrumento central do Swarm – o Magnetômetro vetor de  campo – foi fornecido pela Universidade Técnica da Dinamarca.

swarm-constelação-campo-magnetico

O Instituto Espacial Nacional da Dinamarca, DTU Space, tem um papel de liderança – juntamente com 10 institutos europeus e canadenses de pesquisa – no Swarm Satellite Constellation Application and Research Facility, que produz modelos avançados com base em dados do programa SWARM descrevendo cada uma das várias fontes do campo medido. “Estou muito feliz em ver que o programa Swarm de pesquisa se concretizou”, disse Kristian Pedersen, diretor de DTU Space.

Os pólos magnéticos mudam a cada período de poucas centenas de milhares de anos, e as alterações na intensidade do campo magnético são parte do ciclo, mas o que é surpreendente é a taxa pela qual ele está enfraquecendo atualmente. “Os pesquisadores estimaram que o campo magnético estava enfraquecendo à taxa de cerca de 5 por cento por século, mas os novos dados revelaram que o campo realmente esta enfraquecendo à taxa de 5 por cento por década, ou seja, a uma taxa 10 vezes mais rápida do que se pensava anteriormente”, explica  Kelly Dickerson em LiveScience.

Os cientistas esperam que a próxima mudança na orientação dos polos magnéticos ocorra em cerca de 2.000 anos, mas a este ritmo, a mudança dos polos e do campo magnético pode acontecer muito mais cedo.  O que isso pode significar para os seres humanos?

Que as bússolas poderiam mudar e apontar o polo sul em vez do polo norte, pela primeira vez em mais de cem mil anos, e todas as grades de geração e distribuição de energia e de comunicações podem ser imediatamente afetadas.

campomagnético

De acordo com a LiveScience, os maiores pontos fracos no campo magnético atual foram encontrados ao longo do Hemisfério Ocidental, mas se fortaleceu ao longo do Oceano Índico Sul desde janeiro de 2014. As últimas medidas, efetuadas pela ESA e divulgadas em um  comunicado à imprensa, sugerem o movimento do Norte magnético para o interior da Sibéria, em território da Rússia. Publicado em julho-2014.

Fernando Frascari

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *